segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Por Ricardo Biazotto

Anjo Negro, Mallerey Cálgara, 1ª Edição, Osasco-SP: Novo Século (Novos Talentos da Literatura), 2011, 207 páginas.

A mineira Mallerey Cálgara, autora de Anjo Negro, nasceu no ano de 1971 em Carmo do Cajuru, porém desde pequena mora na capital do Estado, onde atualmente mantém um abrigo de cães e gatos. Dona de uma simpatia incrível, a autora escreveu um livro simples, porém com uma história rica em aventuras e mensagens.

No século XVII, a peste negra atingia toda a Europa, com Londres não foi diferente. A dor vivida pela população era tanta, que eles acreditavam que o Apocalipse estava se aproximando. Tentando ajudar as pessoas, existia um jovem médico chamado Alan. A forma com que Alan ajudava as pessoas, chamou a atenção de um anjo, que tinha a missão de resgatar as almas que precisavam de ajuda. O anjo veio para a Terra, assumiu a forma humana e passou a ser chamada de Bridget. Alan e Bridget tiveram uma relação e disso nasceu um Neefilins, filho de um anjo com um humano. Por ser um Neefilins, o filho Darian passa a ser perseguido, e a mãe do garoto toma uma atitude que pode condenar a sua alma eternamente.

Até então, jamais havia lido um livro sobre anjos, porém a sinopse de Anjo Negro despertou meu interesse desde o primeiro momento. Apesar disso, não imaginei que a história seria repleta de aventuras e momentos que nos fazem refletir, principalmente na pergunta: até que ponto você iria para salvar a pessoa ama? Percebemos na história de Darian, que muitas vezes precisamos nos arriscar por aquilo que acreditamos. “- Somente suas verdadeiras atitudes é que irão definir o que você é, portanto, não se preocupe com o que dirão sobre você, e sim o que realmente pensa a seu respeito. (pág. 48).”

O trabalho da parceira Mallerey é simplesmente incrível, e ela tem uma característica única de escrever. A história é contada por Darin, porém muitas vezes há a união entre primeira e terceira pessoa. Passado e presente também se unem em determinadas partes do livro, e isso é algo que eu jamais vi. Não pense que isso fica confuso, pelo contrário, o livro é devorado rapidamente, principalmente pela curiosidade de saber como a história prosseguirá.

Mais em: http://overshock.blogspot.com/2011/09/resenha-42-anjo-negro.html (Comente e concorra a marcadores autografados)

Nenhum comentário:

Postar um comentário